Seja muito bem vinda! Cá estou eu, a Nolita, colocando as bagunças, traquitanas, criações e algumas criaturas para você ler, aprender, comentar, divergir e se divertir!

sábado, 5 de novembro de 2011

Duda, a maluquinha 02

E, finalmente, a filhota número seis: Duda!



Essa é doida de pedra mesmo!
Também adotada e também com uma estória punk!
Duda é filha da cachorra de uma ex-vizinha. Sabe aqueles viralatas que só sobrevivem por serem viralatas? Era o caso da mãe da Duda. Sua dona, como muitos, deixava a cachorra ao "deus dará". A bichinha vivia revirando lixo, comia restos e ,claro vivia prenha dos viralatas da rua.
Eu sofria, cuidava quando conseguia que ela me deixasse chegar perto... uma coisa.
 Na última "prenhez" que acompanhei surtei! Comecei a alimentar a cadela baixando potes com ração pela janela da minha área de serviço até o quintal da vizinha.

Quando os filhotinhos nasceram, vermifuguei-os, alimentei-os com ração e protein batidos no mixer, cuidei para que cada um tivesse quem o adotasse. Era isso ou lixo, acreditam?
Duda ficou com um menino que morava perto, em um terreno onde moravam mais pessoas em várias casas.
Aquela área do Engenho do Mato (onde eu morava) é muito assim: muita gente pobre, várias casas em uma mesma propriedade... o Rancho ficava, fica ainda, em uma área muito ruim.

Duda crescia feliz: tinha um dono que gostava dela, passeava de coleira pelas redondezas, vinha me visitar... uma beleza. Até que um dia, ao chegar em casa, vejo Duda toda encolhida sob um dos bancos do alpendre do rancho. Vou até ela e constato que a lateral esquerda da barriga está em carne viva, completamente vermelha, sem pelo ou pele. Ela mal deixa que eu a toque, mas consigui levá-la até o canil que tinha colado ao meu muro pelo lado de fora da casa.
Uma mega queimadura! Faço a limpeza, curativo, coloco cama, água, comida e vou catar o garoto. Quero saber o que houve!

Caius me conteve. Disse que eu não precisava ir atrás, o moleque cedo ou tarde apareceria. E foi o que aconteceu. Perguntado sobre o acontecido respondeu que uma tia não queria Duda por lá e já havia mandado que ele se disfizesse (?????) da cachorra. Ao não ser atendida, jogou água fervendo na bichinha!

Gente... eu queria ir lá e jogar água fervendo na mulher! Quase arrumei uma condenação para mim! Sem poder ir lá encher a cara da mulher de cacetada, avisei ao garoto para dar um recado à tia dele:
a cadela agora me pertencia. Eu ia cuidar e ficar com ela mas, a coitada poderia sem noção aparecer por lá novamente. Se isso acontecesse, que me avisassem que eu a buscaria.
 Se algo fosse feito àquela cachorrinha novamente, eu entraria com a polícia no caso!
Avisei-os que maus tratos a animais também dá cadeia!
Putz, eu fervia de ódio! Ainda fervo só de lembrar....

Duda foi melhorando. Sempre que eu a soltava do canil ela imediatamente vinha para o portão da minha casa e se encostava nele, como se dissesse: - ok, abre que eu vou entrar também!
Kírya quase infartava de tanto que latia no portão quando Duda fazia isso. E eu pensava: como fazer? Duda não é um filhotinho, Kírya vai matar ela!

Um dia, Caius mandou eu colocar Duda para dentro. Onde comiam seis (eu tinha a dogo ainda) comiam sete! Ele ia botar ordem nas coisas caso desse problema. Abri o portão, Duda entrou e já foi se jogando aos pés de Kírya toda submissa. Marla, pequenininha, já partiu para a brincadeira e pronto, foi assim a adaptação!

Marla e Duda

Da queimadura ficou essa área escura onde não nasce nenhum pelo.
Duda é muito feliz, feliz doentiamente chego a dizer. Se você fala com ela  é o suficiente para que ela "perca a linha", pule em você, tente subir no seu colo.
Chega a colocar a cabeça sob a sua mão para pedir carinho...
 Graças a Deus ela não tem maiores traumas do acontecido.

Foi adotada, tal como Marla, por Kírya. As três se divertem lutando, brincando de pique pega, aporrinhando os outros.
Duda também gosta de "brincar de sério" com Loki.
Ela senta na frente dele e fica encarando-o. Quando ele faz que vai se mexer, ela ri de lado, entortando a boca e o focinho, mostrando parte dos dentes´num sorriso tosco e apavorante.
Aí Loki começa a latir me chamando. Cada vez que ele dá um latido, ela dá um "sorriso". Até eu me encher e aparecer. Aí ela ri mais ainda e sai de lado como se dissesse: - foi mal, não implico mais...


Olha a maluquinha 02 dormindo num dos meus vasos...
Ela e a irmã já falecida, a Dogo, retiraram todas as plantas e terra que eu tinha nesses dois vasos e passaram a usar como caminhas...

Ok, meninas. Esses são meus seis filhos e um pouco de suas histórias.
Espero que não tenham se entediado e que tenham se divertido com meus "causos familiares".

Claro que não contei nem 1% das estórias que eles já aprontaram e terei muitas mais com certeza.
Quem sabe, de vez em quando coloco uma aqui para variar?

Beijocas!!!



2 comentários:

Marcelle Rebelo (Kisa) disse...

Quer dizer que
Loki não gosta do sorriso da Duda

Kiki disse...

Não... não gosta! Mas vamos combinar que é mesmo arrepiante o sorriso dela....rsrsrsrrs

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...